notícias

Acompanhe todas as notícias sobre a Multi Valog e o mercado

Falta de água coloca o setor elétrico brasileiro em alerta

FONTE: CBN
Setenta e quatro litros de água. É o que se gasta para produzir apenas um copo de cerveja. Uma xícara de café? 132 litros. Para que tudo isso chegue a você, é preciso energia elétrica. O problema é que 70% da matriz elétrica brasileira vêm das hidrelétricas e, com a falta de chuvas e os reservatórios secando, o risco de um apagão não é descartado.
 
Um dos mais lembrados aconteceu em abril de 2001. O mais recente ocorreu em janeiro deste ano, quando mais de dez estados foram afetados. Uma discussão antiga, mas que, para o diretor da Coppe, instituto ligado a Universidade Federal do Rio de Janeiro, Luiz Pinguelli Rosa, deve se tornar mais preocupante porque já interfere no orçamento das famílias.
 
A energia termoelétrica é produzida pela queima de combustíveis fósseis, considerados os vilões das mudanças climáticas. Em 2013, o gás natural e o petróleo representaram 80% do crescimento da oferta interna de energia. Enquanto isso, a participação de fontes renováveis na matriz elétrica caiu de 89% em 2011 para 79% em 2013. Uma combinação que encarece a conta de luz e preocupa os ambientalistas, como explica o especialista em ecopolítica e comentarista da CBN Sérgio Abranches.
 
Diante de um cenário nada otimista, a economia já começa a esboçar resultados negativos. O professor de Economia da Universidade de São Paulo Fábio Kanczuk avalia que a redução da oferta de energia vai diminuir ainda mais as projeções do PIB, além de fazer a inflação subir.
 
Na agricultura, de acordo com a Embrapa, os efeitos da crise hídrica já impactam a produção de hortaliças em estados como São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Rio Grande do Norte. Na indústria, maior consumidora de energia, especialistas preveem queda na produção, redução de investimentos e demissões.
 
O presidente da EPE, a Empresa de Pesquisa Energética, ligada ao Ministério de Minas e Energia, Maurício Tolmasquim, admite que o momento é crítico e a conta de luz vai ficar mais cara enquanto as termelétricas continuarem sendo usadas. A adoção de racionamento de energia, no entanto, só será avaliada após o período de chuvas.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

ABB aposta em inovação na Feicon 2015

Empresa vai apresentar novidades em produtos residenciais, bem como em automação predial e residencial, com simulações de funcionamento

ABB na revista Controle e Instrumentação

Fabricante de sistemas de bombeamento adota drives e PLC da ABB

Diferença de avaliações do setor elétrico causa dificuldade, diz especialista

A diferença entre as informações do ONS e a realidade da disponibilidade de geração de energia do país tem causado dificuldades ao planejamento do setor.

ver todas

R. Loanda, 554 – Chácaras Reunidas | São José dos Campos – São Paulo | (12) 3938-9999

Distribuidor

Multi Valog - Todos os Direitos Reservados - 2014 - Desenvolvido por